Saturday, December 10, 2005

Clonagem e Medicina regenerativa

Para Carolino Monteiro professor da Universidade de Farmácia de Lisboa a Medicina regenerativa vai ser uma relidade nos próximos anos.

Segundo ele a clonagem de seres humanos já se está a tornar para muitos uma maneira de cientistas ganharem dinheiro, pois já muitas familias recorrem ao método da clonagem para poderem ter filhos não se importando muito com o dinheiro que irão gastar.
E para Carolino Monteiro isso é um absurdo pois à custa das famílias os laboratórios ganham dinheiro para se poderem manter.
Diz também na mesma entrevista que ele é contra a clonagem humana: «Em primeiro lugar não concordo porque não são processos biológicos controlados, logo não há garantia de que um novo ser daí resultante não venha com anomalias genéticas.
Do ponto de vista ético, não vejo razão para avançarmos com indivíduos que não seja por reprodução sexuada. Se o único objectivo é obter um indivíduo igual a outro, isso não será conseguido porque há outro DNA, conhecido por DNA mitocondrial, que nunca será da pessoa que dá origem à outra. Para além disso, as experiências vividas pelo novo indivíduo nunca serão iguais às do ser clonado. Por conseguinte, é uma tolice completa considerar-se que uma pessoa resultante de uma clonagem reprodutiva será alguma vez igual ao indivíduo que lhe deu origem.
Numa outra vertente, em termos de biodiversidade é importante que numa sociedade haja pessoas o mais diferentes possível. Assim, não faz sentido pensar em clonagem humana quando há possibilidade de ter indivíduos por reprodução sexuada. Mesmo para casais inférteis, a solução não é a clonagem mas sim a reprodução medicamente assistida. Mas ao contrário do que se possa pensar, não são os casais inférteis que mais recorrem à clonagem reprodutiva. São antes pessoas que perderam um ente querido, em especial um filho. Penso que estes indivíduos necessitam mais de um apoio psiquiátrico do que recorrer a uma técnica que implica o dispêndio de somas tão avultadas.»

Afirma também que o futuro da clonagem irá passar pela medicina regenerativa devido ao seu grande potencial perante a humanidade, afrimando tambem que os laboratórios estão a trabalhar na clonagem para fins terapeuticos e não para fins reprodutivos.